MATÉRIAS/REVIEWS
 
  
 
29/04/2014
REVIEW - LIVRO: MARVEL COMICS - A HISTÓRIA SECRETA
 
 
Marvel Comics: A História Secreta
 
 
 
 
 
 
 
 
 


Nos dias atuais, com o sucesso das produções do Marvel Studios, a Marvel Comics mais do que nunca é um gigantesco sucesso mundial. Mas nem sempre foi assim. Em suas primeiras décadas de existência, antes mesmo de se chamar Marvel, a editora passou por diversos apertos, em períodos em que o mercado de quadrinhos em geral sofria com crises devastadoras – e mesmo em tempos mais recentes também.

No livro Marvel Comics: A História Secreta, o jornalista especializado em quadrinhos Sean Howe aborda todas essas fases difíceis da Marvel, bem como seus períodos de maior sucesso, explorando cada acerto, cada fracasso, as mudanças editoriais, as brigas e os diversos donos que a editora teve durante sua longa trajetória.

Howe faz um bom trabalho se aprofundando os bastidores quase nunca gloriosos do mercado, principalmente no que diz respeito aos primeiros anos da empresa, algo raramente abordado. Para grandes fãs dos quadrinhos, a obra pode ser até decepcionante pela maneira como explora o lado mais podre, as rixas – algumas até bestas, sem motivações pra valer, os processos e a falta de caráter de alguns editores e artistas em alguns momentos.

O autor fez uma pesquisa junto aos próprios envolvidos na história da Marvel. Porém, o resultado final por vezes parece contraditório. Ao não informar suas fontes em muitos casos, soltando “disse um dos presentes” ou algo que o valha muitas vezes, Howe abala a credibilidade do livro, principalmente quando dados conflitantes surgem, alguns batendo de frente com versões do mesmo acontecimento que todos conhecem por décadas.

Em outros momentos, os dados levantados por Howe parecem ser a peça que faltava no quebra-cabeça há tempos, dando todo o sentido a situações conhecidas do fandom por anos, mas nunca completamente compreendidas até então.

A contradição presente gera espaço para dúvidas. No entanto, isso é comum quando o assunto tratado envolve dezenas de depoimentos de centenas de pessoas diferentes: algumas não têm a memória muito boa depois de tanto tempo, rivalidades pesam na hora de retratar a “verdade” e alguns até abrem a boca para falar de assuntos que não dominam.

Porém, Howe tem sua dose de culpa. Embora dê um panorama bem completo principalmente quanto aos anos de formação do Universo Marvel, o autor parece se esforçar para abalar a imagem de tudo e de todos. Ninguém é simplesmente um editor ou quadrinista competente na retratação de Howe. Cada pessoa parece definida apenas por algum defeito: ganância, inveja, covardia, consumo de drogas, fidelidade cega à empresa, todos esses elementos se sobrepõem aos talentos individuais quase a todo o momento na narrativa de Howe. Não que tais elementos não existam, como outras obras também relatam, mas na visão de Howe, tirando o estouro criativo na década de 1970, parece que só o lado negativo prevalece, o que tira um pouco da credibilidade da obra, principalmente ao se utilizar de citações e depoimentos que contradizem esse lado.

Marvel Comics: A História Secreta serve para dar uma geral na história da maior editora de super-heróis do planeta, mas a leitura pede por adendos, pela conferida a outros textos sobre o tema, pois Howe é tendencioso demais, demonstrando estar numa cruzada para ser sensacionalista, até mesmo no nome da obra. Embora enfoque a faceta “maligna” da evolução da editora, essa história nada tem de secreta, sendo retratada em diversos textos pelo mundo, sejam livros ou colunas especializadas.

É um item importante na coleção de qualquer fã de quadrinhos, mas não indispensável, pois apresenta alguns detalhes realmente muito interessantes, mas é tendencioso demais em alguns momentos. Ao que parece para escapar da polêmica Stan Lee versus Jack Kirby, Howe nunca investe firmemente na hipótese tão defendida pelos fãs de Kirby de que Lee “roubou” os créditos de seu parceiro. Em vez disso, sempre que possível, retrata Lee como um babaca que obedecia aos chefes, em outros momentos o retratando como um sonhador que nunca se encaixava no sistema empresarial. Novamente, até aí nada fora do normal dado o levantamento de dados de diversos envolvidos, se não fosse a necessidade pouco profissional de Howe em sempre exemplificar coisas sem a menor importância, em passagens que apenas servem para encaixar Lee em algum estereotipo de bobão infantil, sem nenhum contexto. Em contrapartida, são destacados movimentos de Kirby que riscam a sempre suspeita imagem de “vítima” estigmatizada desde sempre como, por exemplo, quando tomou o partido da Marvel contra seu ex-parceiro Joe Simon.

Outro problema na obra, presente em quase todos os livros que abordam a trajetória de uma empresa tão duradoura, é a maneira como apresenta os fatos mais recentes, do final da década de 1990 para cá. Nestes trechos, tudo é corrido e com pouco aprofundamento. Por um lado, é estranho, afinal, deveria ser muito mais fácil levantar dados junto aos envolvidos, graças ao acesso mais fácil e ao fato de que a maioria está viva, ao contrário dos profissionais envolvidos nos períodos anteriores. Por outro lado, o fato de parte destes profissionais ainda estar atuando na editora deve afetar seus depoimentos, afinal não podem “queimar” sua imagem junto a seus empregadores.

Ao mesmo tempo, a aproximação ao momento atual deixa mais clara do que nunca a triste mudança do mercado de quadrinhos americano, com os elementos mais criativos da Marvel sendo cada vez mais deixados de lado, substituídos por uma faceta quase totalmente comercial, empresarial, que resultou na destruição de anos de uma cronologia bem trabalhada e desembocou em sagas intermináveis e eventos bombásticos para se ganhar espaço na mídia.

A tradução deixa um pouco a desejar também, com alguns erros de concordância e até na tradução de nomes de personagens, o mais grave sendo o do Vigia, chamado de Observador. Algo grave quando se trata de um produto tão direcionado. Por outro lado, o tradutor organizou um belo guia exclusivo da edição brasileira, mostrando onde as histórias citadas na obra foram publicadas em nosso país, apontando ainda as que são inéditas por aqui.

Marvel Comics: A História Secreta (1ª edição, 2013) – De Sean Howe - Tradução de Érico Assis - 560 páginas - formato 23 x 16 cm - R$ 49,90 – Editora LeYa.

Veja também:
- Notícias sobre a Marvel Comics
- Notícias sobre a Editora LeYa
- Outros reviews e matérias

  facebook


 


 

Seções
HQ Maniacs
Redes Sociais
HQ Maniacs - Todas as marcas e denominações comerciais apresentadas neste site são registradas e/ou de propriedade de seus respectivos titulares e estão sendo usadas somente para divulgação. :: HQ Maniacs - fundado em 19.08.2001 :: Brasil