MATÉRIAS/REVIEWS
 
  
 
03/02/2005
COLUNA - NINJA TP: YES, GOSTAMOS DE QUADRINHOS. E SOMOS BONITAS!
 
 
Heróis da TV #100, da Editora Abril
 
 
Elektra Assassina, de volta pela Panini
 
 
Sandman, de Neil Gaiman
 
 
Asilo Arkham, de Grant Morrison e Dave McKean
 
 
Reino do Amanhã, de Mark Waid e Alex Ross
 
 
 
Uma das coisas que mais me intriga em todos esses anos nesta indústria vital é o fato de os garotos reclamarem que não existe mulher que gosta de gibi. É verdade. Eles falam da gente como se fosse praticamente impossível uma fêmea e um gibi se darem bem. “O quê? Você gosta de Hulk? Não acredito!” – “Você sabe quem foi Robert Crumb? E conhece Moebius? Uau, pensei que você gostasse de ler aqueles livretos de sacanagem disfarçados de romance, do tipo Júlia ou até mesmo Turma da Mônica”... O pior, garotas do meu Brasil varonil, é que não tenho como ir contra eles. Desde que comecei a ler quadrinhos, (o que já faz uns 22 anos, brincando) foram pouquíssimas as garotas que conheci que também partilhavam do gosto pela arte seqüencial. Comecei a ler os quadrinhos da coleção de meu pai quando tinha uns 6, 7 anos. E desde então, não parei mais. O pior é que ele até tinha Disney e Turma da Mônica. Mas eu fui direto em “Heróis da TV” e afins. Adorava as histórias. Não eram tão engraçadas como as do Chico Bento, mas desde criança eu já pendia para o drama. Meus pais nunca me impediram de ler aquelas histórias nem julgaram “pesadas”demais para uma criança. Deixaram.”Ela gosta de ler”- pensavam. E me incentivavam por isso. E eu, como era terrivelmente curiosa (e ainda sou) quis saber ainda mais e mais. Descobri outros personagens. Outros títulos. Passei a colecionar. Lia no ônibus, no parque, na sala de aula (o que foi motivo de muitas advertências). Lembro que minhas amiguinhas não se interessavam. Aliás, eu nunca tive muitas amigas mesmo. Por incrível que pareça a maioria das minhas amizades eram compostas de garotos. As poucas meninas que brincavam comigo, perguntavam o porquê de eu gostar daquelas histórias escuras com desenhos feios e só mostravam algum interesse quando se tratava do Batman ou Super-Homem, mas não passavam das perguntinhas idiotas. Na adolescência, me juntei a uma tribo de góticos e descobri Elektra Assassina, minha obra predileta e Sandman, outro tesouro (principalmente para os góticos.... huahah). Nesta época também descobri os quadrinhos europeus, e como o pessoal da turma era muito politizado e tinha ótimas referências culturais, o assunto rendeu ótimos saraus e discussões. Novamente as mulheres eram escassas. O que sempre me chamou atenção nos quadrinhos foi o amálgama roteiro/arte. Quando uma história era brilhante, mas a arte deixava a desejar, eu até que não me interessava muito. Mas quando a publicação apresentava um casamento perfeito entre o gráfico e o literário, uau. Era a glória. Eis o porquê de eu preferir Elektra Assassina até hoje. Pra mim é um exemplo clássico. É claro, existem outros como: Asilo Arkham, Marvels, Reino do Amanhã etc., etc.. Isso, citando os mais pop. Talvez, ao longo de minha colaboração no HQM, eu liste meus artistas e roteiristas prediletos em quadrinhos. Afinal, estou aqui pra isso. Dar a visão feminina sobre esse mundo ainda massivamente masculino. Mas, eu percebi que fugi completamente do assunto desse artigo que era simplesmente perguntar o porquê de a maioria das meninas não se interessar por quadrinhos. Agora, parece que o mangá tem salvo um pouco a pátria, mas mesmo assim, é preciso que elas conheçam outros formatos. Eu gostaria realmente de poder responder essa questão, mas eu também percebi que minha percepção do mundo é meio diferente do da maioria das mulheres. Por isso, caio no perigo de generalizar e simplificar algo que é tão subjetivo. Então, fica a pergunta aí que não quer calar. Eu sou uma mulher, 28 anos, que lê quadrinhos desde criança. Gosto de discutir, de conhecer coisas novas no mercado, de pesquisar sobre o assunto, de passar horas argumentando sobre o poder de um personagem ser maior do que o outro, sobre a personalidade de cada um e coisas desse tipo. Serei eu uma nerd? Não, acho que não. Só tenho um hobby. E o amo de paixão. Vocês, garotas que estão lendo esse texto. Podem me dizer o porquê de sermos tão poucas, para a tristeza dos meninos? Talvez, dependendo das respostas eu escreva outro texto explicando a razão desse fenômeno. Talvez isso até possa repercutir no mercado editorial e aí então dominaremos o mundo!! Porque só falta isso, fala a verdade? De resto, tá tudo dominado. Ahhh outra coisa: Moleques, parem de dizer que garotas que gostam de gibis são feias! É o fenômeno Tostines aqui: Nós gostamos de gibis e vocês dizem que então somos feias... taí! Matei a charada! As meninas podem até gostar de quadrinhos, mas não assumem para não serem tomadas por barangas! É isso! Mesmo assim, garotas, me escrevam. Eu vou citar e creditar a opinião de vocês numa próxima coluna. Espero ser bem-vinda aqui. Té Essa coluna foi escrita ao som de: Beguin the Beguine – (Sheryl Crow interpretando Cole Porter) Se você achou maravilhoso o que eu escrevi e sabe que garotas adoram um elogio, ou se me achou uma débil e quer me mandar pra casa do chapéu, envie e-mail para elektra@hqmaniacs.com .
  facebook


 
Tags :



 

Seções
HQ Maniacs
Redes Sociais
HQ Maniacs - Todas as marcas e denominações comerciais apresentadas neste site são registradas e/ou de propriedade de seus respectivos titulares e estão sendo usadas somente para divulgação. :: HQ Maniacs - fundado em 19.08.2001 :: Brasil