MATÉRIAS/REVIEWS
 
  
 
03/07/2006
MATÉRIA: BESOURO AZUL - PARTE 1
 
 
Mystery Men Comics #7: a primeira capa do Besouro
 
 
Sparky, o parceiro-mirim
 
 
A estréia da versão superpoderosa
 
 
Ted Kord no traço de Steve Ditko
 
 
Revelado o segredo de Dan Garret
 
 
Blue Bettle #3, por Steve Ditko
 
 
Ao lado do Questão
 
 
Batalha de gerações
 



O Besouro Azul é um herói adorado por muitos graças, é claro, ao período em que fez parte da fase cômica da Liga da Justiça. Contudo, no Brasil e em menor escala até mesmo nos Estados Unidos, boa parte dos leitores desconhece as origens do herói.

Alguns pensam que Ted Kord é o único Besouro Azul. Outros conhecem o primeiro personagem a usar este nome, mas desconhecem suas origens e versões no decorrer dos anos. Assim sendo, vamos, na tentativa de desvendar a trajetória do legado do Besouro Azul, iniciar nossa matéria falando de Dan Garrett, o Besouro Azul original.

:: O INÍCIO
Como muitos sabem, o Besouro Azul, assim como diversos outros personagens, foram comprados pela DC Comics de outra editora, a Charlton. Contudo, não foi pela Charlton que teve início a publicação do personagem, mas sim na Fox Feature Syndicate, mais especificamente no ano de 1939, nas páginas da revista Mystery Men Comics #1.

O crédito da criação do herói é impreciso. Na revista está o nome Charles Nicholas. O problema é que Charles Nicholas era um pseudônimo que foi usado por três artistas diferentes: Chuck Cuidera, Charles Wojtkowski e até mesmo Jack Kirby! Com os três mortos, fica ainda mais difícil saber quem é o verdadeiro criador. Cuidera chegou a assumir o crédito na San Diego Comic Con de 1999. Após a morte de Cuidera, o argumentista Mark Evainer, num obituário do artista, revela que através do contato com as famílias de Cuidera e Wojtkowski, levantou a informação de que Wojtkowski havia criado o personagem e acabou se vendo obrigado a vendê-lo para a Fox para ajudar sua família quando teve de servir durante a 2ª Guerra Mundial. Relatos de diversos familiares de Wojtkowski dão suporte a essa versão. Alguns desses relatos afirmam que Nicholas era o nome do meio do artista, embora ele raramente o usava, nem mesmo legalmente. A única certeza é que Victor Fox, fundador e editor da Fox, foi quem encomendou o personagem.

A estréia do herói se deu numa história curta e foi um imediato sucesso, com o personagem em pouco tempo se tornando o carro-chefe da publicação, que trazia ainda aventuras de outros super-heróis, de ficção, comédia e agentes secretos. Dan Garrett era um policial que se decidiu por essa profissão depois que seu pai foi assassinado por mafiosos. Logo, foi sua vez de ser atacado por mafiosos, o que lhe rendeu um tempo no hospital. Foi lá que seu amigo farmacêutico Dr. Franz lhe deu pela primeira vez o composto chamado vitamina 2X, que, por um período limitado de tempo, era capaz de aumentar a força, resistência e agilidade de Dan.

Com esses poderes, ele adotou a identidade de Besouro Azul, usando ainda uma pistola, um uniforme à prova de balas e uma lanterna que emitia o sinal do Besouro Azul, que sempre era usado para assustar os criminosos. Vale destacar que em suas primeiras aventuras o herói não tinha poderes especiais, que só foram acrescentados ao enredo mais tarde, tanto para renovar o interesse quanto para tentar explicar o desempenho físico do fantasiado. Seus principais coadjuvantes eram seu parceiro policial Mike Mannigan (que ironicamente vivia tentando prender o Besouro Azul) e Joan Mason, a costumeira namorada repórter, tão comum nas HQs. Neste período muita gente comparava o estreante herói a outros dois personagens: o Fantasma (cujo uniforme era realmente parecido) e o Besouro Verde.

Ainda em 1939, o personagem estrelou também tiras de jornais, inicialmente capitaneadas por ninguém menos do que Jack Kirby. Também em 1939, teve início a revista própria do herói, que apareceu ainda em diversas publicações da Fox com o passar dos anos. Em 1940, foi a vez de um seriado de rádio que teve ao todo 48 episódios com 13 minutos de duração cada. Com o passar dos anos, o uniforme do Besouro Azul foi sofrendo pequenas alterações, sem nunca mudar de forma drástica. Por vezes víamos antenas na cabeça do herói, em outras ocasiões ele usava um cinto cheio de apetrechos, bem ao estilo do cinto de utilidades do Batman.

Como era comum na época, o Besouro Azul teve também um sidekick (parceiro mirim). Ele se chamava Sparkington J. Northrup e era um garoto que auxiliava o herói vez por outra. Muito antes de Dick Grayson amadurecer e se tornar o Asa Noturna, este parceiro mirim foi o primeiro a evoluir. Inicialmente ele usava um uniforme parecido com o de seu mentor e se tornou o herói mirim Sparky. Mais tarde, quando as histórias já retratavam a 2ª Guerra Mundial ao invés do combate comum ao crime, Dan trabalhava para a inteligência norte-americana e Sparky abandonou seu uniforme, continuando a auxiliar seu mentor, também como um oficial militar.

O sucesso do Besouro Azul pela Fox foi grande, mas não infinito. Sua revista encontrou o fim com o número 60, em 1950. O personagem permaneceu no limbo por alguns anos até encontrar um novo lar.

:: A IDA PARA A CHARLTON
Em 1954, o Besouro Azul encontra seu novo lar: a Charlton Comics. Sua estréia na nova editora aconteceu na revista Space Adventures #14, porém, inicialmente, a única coisa nova foi a editora, pois foram publicadas somente reprises de antigas histórias. Em 1955, foi a vez de um novo título solo, que durou somente quatro edições, novamente com reprises. O título se iniciou no número 18, pois continuava a numeração de outra publicação chamada The Thing. Em 1963 e 1964, o herói aparece por outra editora, a Super Comics, com reprises em duas edições da revista Human Fly.

A grande mudança acontece ainda em 1964. De volta para a Charlton, o herói é totalmente reformulado numa nova revista própria que teria cinco edições. Suas aventuras seguem por outra série própria também de cinco edições, que tem início com o número 50, dando continuidade a numeração da publicação Unusual Tales. Agora o Besouro Azul era o Dr. Daniel Garrett, um arqueólogo que encontra, na tumba egípcia de Kha-Ef-Re, um escaravelho mágico. Ele tem uma visão de uma misteriosa figura parecida com um faraó que diz que ele foi escolhido pelo destino para ser o campeão da humanidade.

De posse do escaravelho e proclamando as palavras “Kaji Dha”, ele se torna o Besouro Azul, um superpoderoso herói que pode voar, soltar raios das mãos e olhos, é superforte e resistente. Seus poderes variariam em algumas histórias, incluindo até mesmo visão de raios x. Com tal origem e poderes, era difícil não comparar esta nova versão com o jovem Billy Batson, o Capitão Marvel. Nesta nova encarnação, o Besouro se digladia com diversos supervilões dos quais podemos destacar a Múmia Gigante, Red Knight, Mentor o Magnífico, Mr. Crabb e seu Escorpião, Mr. Thunderbolt, Praying Mantis-Man, Magnoman e o Olho de Hórus, numa história roteirizada pelo incrível Roy Thomas.

:: SURGE TED KORD
A Charlton modificou totalmente a mitologia do Besouro Azul, mas parecia que isso ainda não era o bastante. Então a solução encontrada foi criar um Besouro Azul totalmente novo. Foi em 1966, nas páginas de Captain Atom #83 que surgiu Ted Kord, o segundo Besouro Azul.

O novo herói estreou como história de apoio do título, com aventuras desenvolvidas pela dupla Steve Ditko e Gary Friedrich. Este último logo trocou a Charlton pela Marvel, antigo lar de Ditko, que acabará de sair de uma sensacional fase no título do Homem-Aranha, criação sua e de Stan Lee. Isso é claro, fez com que as comparações entre os dois personagens logo aparecessem, ainda mais quando leitores notavam que Ditko desenhava Kord parecendo um Peter Parker mais velho. A verdade é que embora os traços de Ditko causassem essa impressão, os personagens tinham pouco em comum.

Ted Kord surge agindo em Hub City, usando sua nave Inseto e equipamentos especiais para combater o crime, incluindo uma máscara que só pode ser removida através de um controle em suas luvas. Luvas estas que também abrigavam os controles de sua nave. Outro apetrecho era sua arma, que não disparava nenhum tipo de projétil, somente um feixe de luz cegante. É interessante notar que o personagem somente carregou a arma por algumas histórias até que ela fosse enfim usada num confronto com a gangue chamada Lunáticos. A nave Inseto por sua vez, disparava raios e carregava equipamentos diversos, incluindo um kit de mergulho.

Inicialmente não se sabia o que havia acontecido com Dan Garret (com um T a menos mesmo, pois foi assim que, sem nenhuma explicação, o personagem foi chamado por todo esse período). Enquanto nada era revelado, as aventuras de Ted apresentaram sua base secreta, onde deixava o Inseto, abaixo de seu laboratório, onde trabalhava com sua namorada Tracey. Logo no final da segunda história, o mistério sobre o paradeiro de Dan Garret aumenta com a chegada do detetive Maxwell Fischer, que desconfia que Ted tenha assassinado Garret! Além de tudo, Tracey também anda desconfiada de Ted, que revela aos leitores, através de balões de pensamento, que realmente esconde um segredo.

O Besouro foi publicado na revista do Capitão Átomo até o número 86, para em seguida conquistar seu título próprio, que duraria somente cinco edições, sempre tendo o Questão (que estreou no primeiro número da publicação) como segunda atração. Curiosamente os personagens nunca se encontraram nessas histórias, embora o Besouro tenha cruzado o caminho de Vic Sage (a identidade secreta do Questão) e do Professor Rodor (que desenvolveu a famosa máscara sem rosto do personagem).

É na segunda edição da revista que é revelado o destino de Dan Garret. Ted Kord encontra Tracey numa ilha remota chamada Pago, investigando-o. Pressionado, ele lhe revela sua identidade secreta e conta sua história. Meses antes, Ted estava ajudando seu tio Jarvis num experimento secreto, do qual Ted só era informado de míseros detalhes. Quando, conforme seu tio, os resultados estavam ficando cada vez melhores, houve uma explosão no laboratório, que ceifou a vida de Jarvis, deixando seu cadáver irreconhecível.

Contudo, Ted decidiu vasculhar os destroços em busca de pistas e acabou encontrando uma caixa intacta, que continha um mapa para a Ilha Pago e um rolo de filme. Assistindo ao rolo, Ted descobre que seu tio forjou a própria morte para se refugiar na Ilha Pago, onde poderia colocar seu plano de conquista mundial em prática sem nenhuma interferência. Ted na verdade havia ajudado seu tio a aperfeiçoar um exército de robôs tidos como invencíveis.

Não sabendo a quem recorrer, sem esperanças de que a polícia acreditasse em sua história, Ted foi pedir auxilio a Dan Garret, a quem tinha conhecido anos antes no colégio. A idéia era usar seus conhecimentos arqueológicos para rastrear o esconderijo de Jarvis na ilha. Os dois partem para sua missão, mas logo que chegam a Pago, são capturados pelos robôs e levados à presença de Jarvis, que revela estar desenvolvendo robôs ainda mais poderosos, mostrando um protótipo ainda desativado.

Sem alternativas, Dan se transforma no Besouro Azul e inicia combate, mas tudo vai muito mal, resultando em sua morte e na de Jarvis. Antes de morrer, Dan pede que Ted mantenha seu segredo e prossiga o legado do Besouro Azul. Assim, depois de ser resgatado por um navio, Ted inicia um treinamento intensivo e desenvolve seu equipamento a partir de projetos iniciados por seu pai.

Mais à frente nas aventuras, um falso Dan Garret dá as caras, dando algum trabalho para Ted e deixando Fischer ainda mais desconfiado. Ditko usava as histórias do Questão para criticar a sociedade e mostrar seu ponto de vista sobre tudo que lhe vinha a cabeça, mas fez isso também, em menor escala, nas histórias do Besouro, principalmente explorando paranóia e manipulação das massas, além de se aprofundar um pouco nos medos e conseqüências dos avanços da ciência.

No Brasil, a Editora Graúna publicou algumas histórias tanto de Dan Garrett quanto de Ted Kord nos anos 60 e início dos 70. A editora acabou mudando o nome do personagem para Besouro Negro. A origem de Ted foi publicada na revista Aventurama #8.

Depois do cancelamento de seu título, o Besouro Azul apareceria ainda em Charlton Premier #3 e já em 1974 em Charlton Portfolio, edição em preto e branco da CPL/Gang Publications que reunia material produzido, mas nunca publicado da Charlton. A história publicada nesta edição foi criada para a sexta edição da série própria do herói. Em 1980, o Besouro enfim se alia ao Questão na revista Charlton Bullseye #1.

:: MUDANDO DE CASA MAIS UMA VEZ
Em 1983, a AC Comics, de Bill Black, entra em acordo com a Charlton, que já não estava indo muito bem, para publicar material produzido, mas nunca publicado para a Charlton Bullseye. Assim o Besouro Azul deu o ar de sua graça em duas edições da AC Comics: Americomics #3 e Americomics Special.

Eram histórias amadoras, mas bem intencionadas, tendo até alguns pontos positivos. Em Americomics #3, Ted Kord retorna para enfrentar Dan Garrett (novamente com dois Ts), que aparentemente havia voltado da morte acusando Ted de traição. Na verdade, a história aproveitou muito bem uma ponta solta na origem de Ted, usando o protótipo de robô mais avançado que Jarvis Kord havia criado, que foge de Pago e se disfarça como o Besouro Azul original. A história acaba com o robô sendo destruído pela nave Inseto, que misteriosamente se ativa sozinha.

A edição ainda contava com uma segunda história, onde era emulado o estilo de Jack Kirby para as tiras da era de ouro do Besouro. Nesta segunda aventura, duas entidades cósmicas trazem Dan Garrett de volta a vida para uma nova encarnação usando o mesmo nome e também a identidade de Besouro Azul, seguindo como escolhido para salvar a humanidade. A história consegue unir todas as encarnações do personagem, mostrando que as versões da Era de Ouro e da Era de Prata do herói eram a mesma pessoa, mas em encarnações distintas, sendo que Garrett sempre é recriado de forma similar pelas entidades cósmicas. Até mesmo Ted Kord aparece na história, sendo resgatado por Dan.

Americomics Special, mostra a equipe Sentinels of Justice, formada pelo Besouro Azul (novamente Ted Kord), Capitão Átomo, Sombra da Noite e Questão; enfrentando uma equipe de vilões da Charlton, que incluia os Lunáticos, inimigos do Besouro. É interessante notar que a equipe de heróis é retratada como existindo há algum tempo. Era a intenção da AC Comics continuar publicando histórias com os personagens da Charlton, mas a DC Comics iniciou negociações com a Charlton, o que jogou um balde de água fria nos planos de Bill Black.

Mas a investida da DC fica para a próxima parte de nossa matéria.

  facebook


Ted Kord e sua nave Inseto
Sentinels of Justice
 


 

Seções
HQ Maniacs
Redes Sociais
HQ Maniacs - Todas as marcas e denominações comerciais apresentadas neste site são registradas e/ou de propriedade de seus respectivos titulares e estão sendo usadas somente para divulgação. :: HQ Maniacs - fundado em 19.08.2001 :: Brasil